sexta-feira, 23 de junho de 2017

O amor intrínseco

Imagem: pinterest. 

Há os amores que são embalados competentemente e que podem ser encontrados em lojas de departamentos.
Há amores que são engaiolados em lojas de produtos para pets.
Há amores que são esperados uma vida inteira e que nem sempre surgem no horizonte dos eventos.
Há amores que estão encontrados e que mais parece com uma roda gigante, de tanto que sobe e desce.
Há amores que vivem dentro da gente, que consomem nossas entranhas e bolem com nosso pensamento.
Há amores que são realmente amores, não falsos brilhantes, nem porcos travestidos de smoking em chiqueiros limpos.
Há amores que são amores, simples assim.
A grande jogada é deixarmos velhas manias para trás. É saber que se o amor por si vem primeiro para alicerçar os sentimentos que se compartilham com outras pessoas. É garantir que, independente das nossas falhas, saberemos sempre que teremos um lugar, só nosso, reservado dentro de nós para nossas pequenas e importantes revoluções.
Depois disso veremos que há amores. Que há o amor. Que tudo é eterno, efêmero e imediato.